O diabo alagoano

Estando desocupado
O grão duque satanás
Teve uma idéia nociva
Horripilante e mordaz

Colocou em uma caldeira
Vinte peças de água ardente
Dez mil cobras venenosas
E um diabo demente

Sublimado corrosivo
Sulfato de istricnina
O coro de dez hienas
Dez quilos de cocaína

Rabuje de dez raposas
Apetite de urubu
O espírito de Caim
Vinte couros de timbu

Tudo isso colocado
Numa caldeira a ferver
Tomou a forma de gente
Como o diabo quis fazer

Satanás achando pouco
Lambuzou merda de porco
Como se fosse caramelo
E ao soltá-lo no mundo
Batizou o vagabundo,
Fernando Collor de Melo

___________Manoel Bione

Sobre Rui

Eu sou uma pessoa a ser estudada... e minhas contas google também. Mas Bukowski me entenderia, me apoiaria e diria que estou certo.
Esse post foi publicado em Uncategorized e marcado , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s