Curiosidades e Influências dos Engenheiros do Hawaii

Ilusão de Ótica: passagem invertidas
|porque é que ‘c está ouvindo isto ao contrário?|
|?o que é que ‘c está procurando?|
|?hein?|

|mal entendido/bem intencionado|
|mal informado/bem aventurado|
|Jesus Salva/salve as baleias/leia livros|
|safe sex / relax|
|o papa é pop/o país é pobre/o PIB é pouco|
|o meu pipi no seu popô|
|o seu popno meu pipi|
|poesia é um porre|
|o futebol brasileiro são várias camisetas
com a mesma propaganda de refrigerantes|
|a juventude brasileira…
sem bandeira
sem fronteiras pra defender|

Vozes
Ao fim da música uma voz distorcida diz:
“As vozes oficiais dizem ‘Quem Sabe’
As vozes oficiais dizem ‘talvez’
As vozes oficiais dizem ‘Quem Sabe’
As vozes oficiais dizem ‘talvez’
Enquanto os livros e as revistas
Mostram imagens sem nitidez
Sem nitidez, sem nitidez, sem nitidez
Quem sabe, quem sabe, quem sabe talvez
Sem nitidez
Quem sabe, quem sabe, quem sabe, quem sabe, quem sabe…”

Quem Tem Pressa Não Se Interessa

No início da música Humberto canta baixinho:
“Quando você me olha com seu olhar tranquilo
sempre me diz que falta algo, (por questões de estilo) ou isso ou aquilo quando você me olha com seu olhar tranquilo (por questões de estilo) sempre me diz que falta algo”

Além dos Outdoors
O código Morse que interliga essas músicas não significa nada.

Sweet Gardênia I e II:
Segundo Maltz, estas duas músicas não chegaram a ser gravadas.

Ouça o Que Eu Digo Não Ouça Ninguém => Longe Demais das Capitais (versão Alívio Imediato):

Augusto incluiu no solo de passagem entre essas canções a música Summertime famosa com Janis Joplin.

Era Um Garoto Que Como Eu Amava Os Beatles E Os Rolling Stones:
As seguintes músicas incidentais:
Under My Thumb
Here Comes The Sun
Hino Nacional Brasileiro
Pra Frente Brasil
Hino Riograndense
Hino da Legalidade
Hino da Independência
Hino Nacional dos Estados Unidos da América
Hino Nacional da União Soviética
Hino Nacional da França

Sala Vip:
A voz distorcida no fim da música diz:
(…)”Uma página arrancada
um segredo mantido
em passagens subterrâneas
em passagens subterrâneas
sob a praça da matriz
subterrâneas sob a praca da matriz
uma stória mal contada
uma mentira repetida
repetida, repetida, repetida…
uma página arrancada
um segredo mantido
em passagens subterrâneas
em passagens subterrâneas
sob a praça da matriz
em passagens mal contadas
até virar verdade
a verdade a ver navios(…)”

Ando Só
No início e no fim da música pode-se ouvir o som de um motor de carro, a porta se fechar e uma voz feminina dizendo: “Driver, follow that car!!”
– Motorista, siga aquele carro!

Várias Variáveis:
Uma colagem simulando o girar do dial de um rádio. Passa pelo final da música “Vozes” de A Revolta dos Dãndis

Museu de Cera:
contém:
– samplers de um discurso em (????)
– inicio da música (?????)
– narrações de Cid Moreira:
“a crise do comunismo na União Soviética acabou contribuindo para a derrota do socialismo na (???) “o museu de ciência de Londres…”
“…”

Nunca é Sempre:
No início da música, por baixo dos primeiros versos Humberto canta
lentamente:
“Nunca é Sempre”

A Conquista do Espaço:
Na parte final da música, por baixo dos primeiros versos “falados” estão as seguintes frases: “se a tv estiver”
“nascer pode ser”
“se a tv estiver”
“nascer pode ser”
“garcia, garcia”
“francamente”

Albert Camus é uma das principais referências nas letras de Gessinger. Mais do que citações, o discurso existencial de Camus está impregnado em toda obra dos Engenheiros. Alguns exemplos:

“Engenheiros do Hawaii”:
“(…) eles não gostam de Camus /eles só querem ler gibi
to be or not to be / Engenheiros do Hawaii(…)”

A Revolta dos Dândis:
O disco leva o nome de um dos capítulos de O Homem Revoltado, ensaio humanista que ataca os crimes perpetuados em nome da revolta.

A Revolta dos Dândis I:
“(…)Eu me sinto um estrangeiro / passageiro de algum trem
que não passa por aqui / que não passa de ilusão (…)”
Traz referência ao livro O Estrangeiro, romance que aborda o absurdo na vida humana. Tema já trabalhado nos ensaios O Homem Revoltado e O Mito de Súçifo.

Inclusive em algumas apresentações ao vivo, Humberto canta: “Eu me sinto um estrangeiro / personagem de Camus”

A Violência Travestida Faz Seu Trottoir:
“(…)Todo suicida acredita na vida depois da morte(…)”

Terra de Gigantes:
Seriado de tv dos anos 60.

Infinita Highway
“a dúvida é o preço da pureza”
do livro O Muro de Jean Paul Sartre

Variações Sobre Um Mesmo Tema:
“(…)há mistério em quase tudo / nem todo veludo é azul(…)”
-Veludo Azul, filme dos cineasta David Lynch
Um rapaz (MacLachlan) encontra uma orelha humana em um terreno baldio. A curiosidade o faz enveredar por ambientes sinistros, habitados por uma cantora de clube noturno (Rossellini) e um maníaco homicida (Hopper).

Nau á Deriva:
“perigo, perigo! / perdidos no espaço sideral”
– referência série de tv Perdidos no Espaço (lost in space). A frase
“perigo, perigo” era o mote do andróide Robot

“(…)Apocalispe Now /deriva(…)”
-Apocalipse Now, filme de Francis Ford Copolla

Exército de Um Homem Só
-Referência ao romance de mesmo nome do escritor gaúcho Moacyr Scliar O autor cria um personagem definitivo, o Capitão Birobidjan,destemido herói de um novo mundo, fanático pregador de utopias, solitário e esperançoso navegador de um mar de indiferença.

Mathias Rust-jovem da Alemanha Oriental que com 19 anos e em plena guerra fria, com todos os sofisticados sistemas de defesa, radares e etc. pousou com seu pequeno avião no meio do Kremlin em Moscou (1987).

Nunca Mais Poder:
“como a coluna Prestes / as colunas do Niemeyer”
A Coluna Prestes foi um movimento político militar de origem tenentista, que entre 1925 e 1927 se deslocou pelo interior do país regando reformas políticas e sociais e combatendo o governo do então presidente Arthur Bernardes.

Anoiteceu em Porto Alegre:
“here comes the sun”
-referência canção dos Beatles de mesmo nome

Time
“The sun is the same in a relative way but you are older”
-verso da canção Time do Pink Floyd no álbum Dark Side of the Moon

Rio Guaíba
“(…)atrás do muro existe um rio / que na verdade nunca existiu(…)” -referência
ao Rio Guaíba. Às margens do rio (que tem um dos por-de-sol mais famosos do país) foi construído um muro para conter as inundações

Ilusão de Ótica:
“só vejo / obscuro objeto / desejo indireto”
– trocadilho com “obscuro objeto do desejo”, filme de Luis Bunel

O Sonho é Popular:
“(…)a pátria ?á flor da pele / pede passagem(…)”
-referência canção O Que é Será (a flor da pele) de Chico Buarque

Chandigarh
“(…)o concreto paira no ar / mais aqui do em Chandigarh(…)”
-Chandigarh é a primeira cidade planejada da Índia.
Sua construção se iniciou em 1953, e foi projetada pelo aquiteto Le
Corbusier

Facista
“(…)uma mentira repetida / até virar verdade(…)”
-máxima do discurso fascista

Ando Só
“(…)pergunte ao pó por onde andei(…)”
-Pergunte ao Pó (ask the dust) – Livro do escritor americano John Fante, considerado uma obra prima, o livro é pontuado pelo prazer e emoção de estar vivo.
Pergunte ao Pó é uma trágica-comédia do pós-guerra.

Sampa no Walkman:
-canção fundamentada em Sampa, de Caetano Veloso.

Descendo a Serra:
“(…)um dia de cão / um mês de cães danados(…)”
-Um Mês de Cães Danados, romance de Moacyr Scliar

Drummond
“(…)o céu não seria rima / nem seria solução(…)”
-citação de um verso do poema Poema de Sete Faces, de Carlos Drumond de
Andrade

O Ovo da Serpente
“(…)não há nada de novo / no ovo da serpente(…)”
-O Ovo Da Serpente, filme de Abel Ferrara

Túnel do Tempo:
Foi um seriado de TV dos anos 60 (atualmente exibido pela tv a cabo no canal FOX)

A Banda
música de Chico Buarque
“(…)para a praça ver a banda passar(…)”

Chuva de Containers:
“(…)Ame-o ou deixe-o(…)”
-lema do governo militar brasileiro, década de 60

Pose (anos 90):
“(…)meninos de engenho, santa ingenuidade(…)”
– “O Menino do Engenho” livro de José Lins do Rego

Canibal Vegetariano Devora Planta Carnívora:
“(…)do it yourself(…)”
-lema punk dos anos 70

Terra em Transe
“(…)eu vi a terra em Transe Profundo(…)”
-“Terra em Transe” filme de Glauber Rocha

Problemas…Sempre Existiram:
“(…)um pedaço do paraíso / uma estação no inferno(…)”
– Uma Estação No Inferno, livro de Arthur Rimbaud

Último poema
“(…)o último poema(…)”
– Referência a O Último Poema de Manuel Bandeira

A Conquista do Espaço:
“(…)um grande passo pra humanidade(…)”
– notório dircurso de Neil Armstrong ao pisar na lua

Exército de Um Homem Só (versão Filmes de Guerra…):
“(…)não interessa o Diário da Corte(…)”
– coluna que o jornalista Paulo Francis mantinha em vários jornais
brasileiros

Por Acaso
“(…)o nosso caminho / moinhos de vento
Glória e Independência é a nossa Redenção(…)”
-Parque Moinhos de Vento, localizado em Porto Alegre
-Glória e Independência são dois bairros de Porto Alegre
-Redenção – Parque Farroupilha, um dos principais parques de Porto Alegre

A hora Do Mergulho
“(…)profundidade: 20.000 léguas(…)”
– 20.000 léguas submarinas, livro de Júlio Verne

O Castelo dos Destinos Cruzados
– livro de Italo Calvino. Personagens narram suas historias de vida
utilizando-se das cartas de um baralho de tarô

Ilex Paraguarienses:
– nome científico da erva mate

Irradiação Fóssil: (HG3)
Livro de (?), fala da irradiação fóssil, a luz que as estrelas emanam depois de mortas é também o nome do estúdio/armário de Humberto

Causa Mortis (HG3):
“(…)o seu jeitinho cão andaluz(…)”
O Cão Andaluz, filme de Luiz Bunñel
primeira cena do filme é um olho aberto, em close, sendo rasgado por uma navalha

A Bola Da Vez (HG3):
Humberto numa entrevista pro Jornal O Globo em 1993:
O Globo: Um lanche?
Humberto: Bola da Vez! sempre vou jogar sinuca e peço o Bola da vez que é um sanduiche de carne e queijo por causa do nome. Comer Bola da Vez é uma sensação

A Ferro e Fogo (HG3):
A Ferro e Fogo título de um livro de Josué Guimarães

Monumento ao Laçador:
estampado na capa do disco Minuano, é um monumento localizado na Praça do Bombeador, no início da Av. dos Farrapos em Porto Alegre

3 Minutos:
“(…)do pampa o vento, violino, minuano(…)”
vento frio que sopra do sul da Argentina e atinge o Rio Grande do Sul e pequena parte de Santa Catarina

Nove Zero Cinco Um:
O51 é o código de área de Porto Alegre

Humano Demais:
referência a Demasiado Humano de Nietzche

Sobre Rui

Eu sou uma pessoa a ser estudada... e minhas contas google também. Mas Bukowski me entenderia, me apoiaria e diria que estou certo.
Esse post foi publicado em Uncategorized e marcado , , , , . Guardar link permanente.

12 respostas para Curiosidades e Influências dos Engenheiros do Hawaii

  1. Pingback: Tweets that mention Curiosidades e Influências dos Engenheiros do Hawaii | Mosaicos -- Topsy.com

  2. ianniu disse:

    fiquei um pouco decepcionada ao saber que o morse nada significou. mas tudo bem a vida continua. yhehehe
    muito boa a página!
    🙂

  3. fernando disse:

    Muito bom, sou mega fã, e não sabia nem da metade da metade…

  4. Frei Léo disse:

    Quanta cultura junta numa obra! Isso é Engenheiros! Isso é Humberto Gessinger!

  5. faltou falar das capas dos discos representando a bandeira do Rio Grande do Sul.

  6. O que se fala referente ao Collor em “O Papa é Pop” não dá pra entender, é tipo assim: “O presidente…”

  7. Alysson souza disse:

    Quarto de hotel e um conto do escritor Daltonismo Trevisan..

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s